.: Concurso Público SEE SP 2017

CONCURSO PÚBLICO SEE SP 2017(DIRETOR DE ESCOLA) – 1878 VAGAS, SALÁRIO R$3.834,00

 

Cargo: Diretor de Escola Especialidade: SQC-II – QM - Classe de Suporte Pedagógico Lei complementar que regulamenta o cargo: Lei Complementar nº 836, de 30/12/1997.

Jornada de trabalho: 40 (quarenta) horas semanais.

Número de vagas: 1.878 (um mil oitocentos e setenta e oito), sendo 1.784 (um mil setecentos e oitenta e quatro) para ampla concorrência e 94 (noventa e quatro) para candidatos com deficiência.

Valor da inscrição: R$ 82,73 (oitenta e dois reais e setenta e três centavos) “(ATÉ DIA 17/07/2017)”

Endereço para inscrição: https://www.nossorumo.org.br/

Vencimentos: salário base no valor de R$2.840,00 (dois mil e oitocentos e quarenta reais), mais Gratificacação de Gestão Educacional no valor de R$994,00 (novecentos e noventa e quatro reais), totalizando salário inicial no valor de R$ 3.834,00 (três mil, oitocentos e trinta e quatro) reais, conforme legislação vigente. (LC nº 1.204/2013 e Artigo 9º da LC nº 1.256/2015).

 

PRÉ REQUISITOR PARA EXERCER A FUNÇÃO:

1. Ter no mínimo 8 (oito) anos de efetivo exercício de Magistério, desde que exercido em escola devidamente autorizada e reconhecida pelo órgão do respectivo sistema.

2. Ser portador de pelo menos um dos títulos abaixo:

2.1. Diploma de Licenciatura Plena em Pedagogia;

2.2. Diploma de Pós-graduação na área de Educação.

 

COMO SERÁ A PROVA?

A avaliação será por meio de provas objetivas (1ª fase) e de títulos e experiência profissional (2ª fase).

As provas objetivas, previstas para o dia 03 de setembro de 2017, terão duração de 5 horas, e serão realizadas nas cidades-sede das 91 Diretorias Regionais de Ensino da SEE-SP.

Serão compostas por 70 questões de múltipla escolha versando sobre disciplinas de Conhecimentos Básicos e Específicos. Será considerado habilitado para a segunda fase o candidato que obtiver nota igual ou superior a 50 pontos na prova objetiva.

 

O que cai na Prova?

Conhecimento de:

  • Papel social da educação e a função social da escola na sociedade contemporânea e no contexto local.
  • Princípios e diretrizes de políticas educacionais nacionais e da SEE-SP no contexto social e de desenvolvimento do País e do Estado de São Paulo, bem como a sua implementação.
  • Princípios e mecanismos institucionais, legais e normativos de organização, desenvolvimento e avaliação do sistema de ensino e da escola.


Bibliografia: Publicação Institucional: BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. Conselho Nacional da Educação. Câmara Nacional de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013.

Legislação: BRASIL. Constituição da Republica Federativa do Brasil (1988). (Artigos 5º, 6º; 205 a 214). 2. BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB. 3. BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. 4. SÃO PAULO. Lei nº 16.279, de 08 de julho de 2016. Plano Estadual de Educação de São Paulo. 5. SÃO PAULO. Constituição Estadual (1989). (Artigo 129).

Livros e Artigos: 1. AZANHA, José Mário Pires. Democratização do ensino: vicissitudes da ideia no ensino paulista. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 30, n. 2, p. 335-344, maio/ago. 2004. 2. GOMES, Candido Alberto. A escola de qualidade para todos: abrindo as camadas da cebola. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 13, n. 48, jul./ set. 2005. 3. GOMEZ-GRANELL, Carmen; VILA, Ignácio (Org.). A cidade como projeto educativo. Porto Alegre: Artmed, 2003. 4. TEIXEIRA, Anísio. A escola pública universal e gratuita. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Rio de Janeiro, v. 26, n. 64, p. 3-27, out./dez. 1956. 5. TORRES, Rosa Maria. Itinerários pela educação latino-americana: caderno de viagens. Porto Alegre: Artmed, 2001. 6. SAVIANI, Dermeval. Escola e Democracia: teorias da educação, curvatura da vara, onze teses sobre a educação política. Campinas, SP: Autores Associados, 2008.

 

 

Conhecimento de:

  • Gestão democrática e participativa.
  • Princípios legais de direitos humanos.
  • Composição e atribuições de instituições colegiadas e auxiliares da escola.
  • Estratégias para caracterizar o perfil socioeconômico e cultural de comunidades.
  • Identidade, cultura e clima escolar e práticas cotidianas da escola.
  • Representações sociais sobre diversidade, gênero e etnia.
  • Estratégias de mobilização e participação.
  • Rede protetiva e justiça restaurativa.
  • Parceria escola-comunidade.
  • Estratégias de mobilização da comunidade para a participação da comunidade nas ações da escola.

 

Bibliografia: Publicação Institucional: 1. SILVA, Ana Beatriz Barbosa. Bullying. Brasília: Conselho Nacional de Justiça, 2010. 2. BRASIL. Comitê Nacional de Educação em Direitos Humanos. Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos, Ministério da Educação, Ministério da Justiça, UNESCO, 2007. 3. BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Conselhos escolares: democratização da escola e construção da cidadania; caderno 1, parte II. Brasília: MEC/SEB, 2004. 4. SÃO PAULO (Estado). Ministério Público do Estado de São Paulo. Curso de introdução à justiça restaurativa para educadores: manual prático. 2012.

Legislação: 1- BRASIL. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança do Adolescente – ECA (Artigos 1º a 6º; 15 a 18; 60 a 69). 2- BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB. 3- BRASIL. Lei nº 7.398, de 4 de novembro de 1985. Dispõe sobre a organização de entidades representativas dos estudantes de 1º e 2º graus e dá outras providências. 4- SÃO PAULO. Decreto nº 12.983, de 15 de dezembro de 1978. Estabelece o Estatuto Padrão das Associações de Pais e Mestres. 5- SÃO PAULO. Decreto nº 50.756, de 3 de maio de 2006. Altera o Estatuto Padrão das Associações de Pais e Mestres, estabelecidos pelo Decreto nº 12.983, de 15 de dezembro de 1978. 6- SÃO PAULO. Decreto 55.588, de 17 de março de 2010. Dispõe sobre o tratamento nominal das pessoas transexuais e travestis nos órgãos públicos do Estado de São Paulo e dá providências. 7- SÃO PAULO. Deliberação CEE nº 125/14. Dispõe sobre a inclusão de nome social nos registros escolares das instituições públicas e privadas no Sistema de Ensino do Estado de São Paulo e dá outras providências correlatas. 8- SÃO PAULO. Resolução SE nº 45 de 18-08-2014. Dispõe sobre o tratamento nominal de discentes transexuais e travestis, no âmbito da Secretaria da Educação. 9- SÃO PAULO. Lei Complementar 444, de 27 de dezembro de 1985. Dispõe sobre o Estatuto do Magistério Paulista. (artigo 95).

Livros e Artigos: 1- ABRAMOVAY, Miriam (Coord.). Juventudes na escola, sentidos e buscas: por que frequentam? Brasília, DF: MEC, 2015.

 

 

AONDE DEVO ME PREPARAR COM TUDO ISSO DE MATÉRIA?

Melhor preparatório para Concurso Público da Região, Grupo Agência RH e Saiba+Concursos irão instruir vocês para um dos mais esperados concursos públicos do ano, e sabendo que a prova já esta próxima, teremos duas opções, uma Revisão Saiba+ com 20 hrs/aulas ou Semi-Extensivo Saiba+ com 36hrs/aulas. Os melhores professores da atualidade, que vai te encaminhar mais do que preparado para esse novo desafio.

 

“Nós não vendemos cursos, promovemos esperanças de um futuro melhor!”

 

Pense fora da caixa!